Sistema de Prevenção e Alerta de Enchentes faz testes na região do Aricanduva

Anunciado pelo governo de São Paulo em outubro passado, o Sistema de Prevenção e Alerta de Enchentes entrará em fase de testes nesta semana. Apesar de a temporada de chuvas já ter começado no Estado, ainda não há data definida para que o sistema esteja plenamente implantado, segundo o superintendente do Daee (Departamento de Águas e Energia Elétrica), Amauri Pastorello.

As populações que vivem em áreas de risco serão alertadas sobre a possibilidade de transbordamento de rios por meio de SMS (mensagens via celular). O cadastro, feito pessoalmente por agentes do Daee, começou na última quarta-feira (1º) e contabiliza até agora entre 200 e 300 pessoas das regiões dos córregos Zavuvus e Meninos, na zona sul da capital paulista.

Pastorello explica que os habitantes de áreas de risco serão consultados para cooperar com o sistema de alerta. Segundo ele, não são todos os moradores que receberão o aviso. A preferência, de acordo com o superintendente do Daee, será para os que vivem perto de córregos.

– Eles podem avisar os vizinhos e colegas para que tomem as providências que acharem necessárias. Em Zavuvus, existem cerca de 1.100 imóveis e 200 pessoas foram cadastradas. Se cada pessoa avisar outras cinco, o objetivo foi alcançado.

A meta é que, no total, 3.000 pessoas sejam cadastradas. A princípio, dez rios deverão ser monitorados: Meninos, Zavuvus, Três Pontes, Couros, Ribeirão Vermelho, Pirajussara, Juqueri, Oratório, Tamanduteí e Aricanduva.

Além da população, serão avisados também órgãos como a Defesa Civil estadual, o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) e o centro de controle operacional integrado das subprefeituras.

A partir do momento em que a Defesa Civil estadual recebe o boletim, ela deve repassar a informação à coordenadoria responsável pelo município, que já tem as áreas de risco da cidade mapeadas. De acordo com a intensidade da chuva, o órgão define as medidas a serem adotadas.

De acordo com o tenente-coronel da Defesa Civil do Estado de São Paulo, José Félix Trigo, com a implantação do novo sistema, o órgão terá acesso a informações mais precisas no que diz respeito a inundações.

– Equipes vão para o local, onde identificam a situação e fazem uma reformulação no trânsito para evitar que veículos se dirijam para áreas de alagamento e inundação.

Se necessário, os moradores podem ser removidos para locais seguros. O Corpo de Bombeiros também é avisado e, por sua vez, desloca viaturas para áreas afetadas pela chuva.

A princípio, o telefone celular será a única ferramenta de aviso aos moradores. De acordo com Pastorello, pesquisas e o próprio cadastramento dos moradores mostraram que a maioria tem telefone celular e sabe usar o serviço de SMS. Também é estudada a possibilidade de o alerta ser emitido via Twitter, rede de microblogs.

Fonte: R7




Deixe seu comentário