Aricanduva: Imóveis construídos há mais de 15 anos sofrem com maior desvalorização

As vendas de casas e apartamentos usados na cidade de São Paulo recuaram 2,91% em novembro na comparação com outubro, segundo pesquisa divulgada pelo Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo) nesta terça-feira (28). Esta foi a segunda queda mensal seguida, já que em outubro a queda foi ainda mais acentuada, de 25,59%.

No mês passado, foram vendidos na capital paulista 200 imóveis usados, segundo as 514 imobiliárias consultadas pelo Creci-SP. Os apartamentos vendidos representaram 68% do total, enquanto as casas ficaram com 32% em novembro.

Os imóveis vendidos à vista representaram 44,5% do total, enquanto 53,11% foram financiados por bancos e 2,39% trocaram de dono com pagamento parcelado pelos proprietários. Segundo o Creci-SP, não foram registrados negócios feitos por meio de crédito de consórcios imobiliários.

Os imóveis mais vendidos na capital em novembro – assim como em outubro – foram os de valor médio superior a R$ 200 mil, com 66% do total.

O maior aumento de preços registrado pela pesquisa Creci-SP foi o de casas de padrão médio, construídas há mais de 15 anos e situadas em bairros como Aeroporto, Água Branca, Barra Funda, Butantã, Cambuci, Chácara Santo Antônio, Cidade Universitária, Jabaquara, Lapa, Moóca, Santa Cecília, Santana, Santo Amaro, Saúde, Tucuruvi e Tatuapé.

O preço médio de venda registrado em outubro, de R$ 1.782,97 pelo metro quadrado, passou para R$ 2.797,43 em novembro, uma alta de 56,9%.

Já os imóveis com maior desvalorização em novembro foram as casas construídas há mais de 15 anos e situadas em bairros como Água Rasa, Aricanduva, Bela Vista, Belém, Bom Retiro, Brás, Casa Verde, Centro, Cidade Ademar, Cupecê, Freguesia do Ó, Glicério, Imirim, Liberdade, Limão, Pari e Penha.

O preço médio do metro quadrado baixou 50,82%, de R$ 2.678,63 em outubro para R$ 1.317,46 em novembro.

Vendas de imóveis usados na cidade de São Paulo

Janeiro –  queda de 11,81%
Fevereiro – alta de 39,97%
Março – alta de 14,90%
Abril – alta de 27,13%
Maio – alta de 25,58%
Junho – queda de 15,53%
Julho – queda de 21,82%
Agosto – queda de 27,30%
Setembro – alta de 19,71%
Outubro – queda de 25,59%
Novembro – queda de 2,91%

Fonte: R7




Deixe seu comentário